sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Multivacinação acontece neste sábado


Para garantir que nenhuma criança até cinco anos de idade ou entre 9 e 15 anos fique de fora da campanha de multivacinação deste ano, os postos de vacinação estarão abertos neste sábado (24), em todo o país. A orientação do Ministério da Saúde aos estados e municípios é que as salas de vacinação permaneçam em atividade durante todo o dia, no entanto, os horários de funcionamento ficam a cargo dos gestores locais de saúde e podem variar de uma cidade para outra. O objetivo do “Dia D” é dar mais uma oportunidade aos pais e responsáveis de garantirem a proteção das crianças e adolescentes.
Além das salas fixas nas unidades de saúde, o “Dia D” da Campanha Nacional de Multivacinação terá ainda postos volantes em escolas, praças e outros locais públicos. A expectativa é que o sábado de vacinação envolva mais de 350 mil profissionais de saúde em todo o país, além de 42 mil veículos, entre terrestres e fluviais, que irão assegurar a vacinação em locais de difícil acesso.
O foco da campanha, que será realizada até 30 de setembro, é mobilizar os pais ou responsáveis a levarem seus filhos para atualizar o cartão de vacinação. Neste ano, a ação é voltada para crianças (menores de cinco anos e de nove anos) e adolescentes (entre 10 e 15 anos incompletos). Devem comparecer aos postos todas as crianças e adolescentes nessa faixa etária, para que seja possível identificar quais doses estão em atraso ou devem ter o esquema iniciado. Serão disponibilizadas vacinas do calendário da criança e do adolescente, como tuberculose, rotavírus, sarampo, rubéola, coqueluche, caxumba, HPV, entre outras.
Para isso, o Ministério da Saúde enviou aos estados 19,2 milhões de unidades extras de 14 vacinas. Ao todo, foram enviadas às unidades da federação 26,8 milhões de doses, que servem tanto para a vacinação de rotina do mês de setembro (7,6 milhões) quanto para a campanha (19,2 milhões).
Para isso, o Ministério da Saúde enviou aos estados 19,2 milhões de unidades extras de 14 vacinas. Ao todo, foram enviadas às unidades da federação 26,8 milhões de doses, que servem tanto para a vacinação de rotina do mês de setembro (7,6 milhões) quanto para a campanha (19,2 milhões).
Com a campanha de vacinação, o Ministério espera a redução das doenças imunopreveníveis no país e diminuir o abandono à vacinação. Como a vacinação será de forma seletiva para a população alvo, não há meta a ser alcançada.
Para reforçar a mobilização, o Ministério da Saúde lançou campanha publicitária com o slogan “Todo mundo unido, fica mais protegido”. A campanha já está sendo veiculada na televisão, rádio e internet, com vídeos, banners, cartazes, jingles e filme especial com a participação do grupo Carreta Furação.
MUDANÇAS NO CALENDÁRIO - Em janeiro de 2016, o ministério promoveu alteração no esquema vacinal de quatro vacinas: poliomielite, HPV, meningocócica C (conjugada) e pneumocócica 10 valente. O Calendário Nacional de Vacinação tem alterações rotineiras e periódicas em função de mudança na situação epidemiológica, nas indicações das vacinas ou na incorporação de novas vacinas. Mudanças deste ano:
POLIOMIELITE - O esquema vacinal contra a poliomielite passou a ser de três doses da vacina injetável – VIP (2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina oral – VOP (gotinha). Até 2015, o esquema era de duas injetáveis (VIP) e três orais (VOP). A mudança está de acordo com a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) e como parte do processo de erradicação mundial da pólio. Vale ressaltar que essa substituição não prejudica a proteção das crianças, que já ficam imunizadas com as três doses injetáveis.
HPV - O esquema vacinal passou de três para duas doses, com intervalo de seis meses entre elas. Os estudos recentes mostram que o esquema com duas doses apresenta uma resposta de anticorpos em meninas saudáveis de 9 a 14 anos não inferior quando comparada com a resposta imune de mulheres de 15 a 25 anos que receberam três doses. As mulheres vivendo com HIV entre 9 a 26 anos devem continuar recebendo o esquema de três doses.
MENINGOCÓCICA - O reforço, que anteriormente era administrado aos 15 meses, passou a ser administrado aos 12 meses, preferencialmente, podendo ser feito até os 4 anos. As primeiras doses da meningocócica continuam sendo realizadas aos 3 e 5 meses.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Doação de Órgãos em Sergipe


Sergipe realiza 57 transplantes no primeiro semestre de 2016

O estado de Sergipe realizou no primeiro semestre deste ano 57 transplantes, com índice de 1,8 doadores por milhão de população. Com o objetivo de ampliar cada vez mais o número de doadores de órgãos no país, o Ministério da Saúde lançou nesta semana a campanha nacional de doação de órgãos no espaço Casa Brasil, no Rio de Janeiro. Com o slogan “Viver é uma grande conquista. Ajude mais pessoas a serem vencedoras”, a campanha é estrelada por atletas transplantados em alusão aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. A divulgação marca o mês de comemoração do Dia Nacional da Doação de Órgãos (27 de setembro).

Confira a campanha completa

No primeiro semestre deste ano, o país bateu recorde de doador por milhão da população, com 1.438 doadores, 7,4% a mais que no mesmo período de 2015. Essas doações possibilitaram a realização de 12.091 transplantes entre janeiro e julho, registrando aumento nos procedimentos de órgãos mais complexos, como pulmão, fígado e coração, de 31%, 6% e 7%, respectivamente.

Embora o país tenha avançado muito nos últimos anos, a taxa de aceitação familiar foi de 56% nesse primeiro semestre. Em Sergipe, a recusa das famílias está em 52%, número maior em relação ao mesmo período de 2015, quando a porcentagem era de 20%. Isso quer dizer que mais da metade das famílias ainda rejeita a doação de órgãos de um parente com diagnóstico de morte encefálica. Mesmo assim, o Brasil possui a menor taxa de recusa familiar entre os quatro maiores países transplantadores da América do Sul, como Argentina (49%), Uruguai (47%) e Chile (52%).

Atualmente, 89% dos transplantes de órgãos sólidos são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), tornando o país referência mundial no campo dos transplantes e maior sistema público do mundo.

“Um dos nossos principais desafios atualmente é diminuir a taxa de recusas familiares à doação de órgãos. A família brasileira é tipicamente solidária e precisa ser bem informada e acolhida em momentos dolorosos, como a perda de um ente querido. É preciso mostrar que essa perda pode significar a vida de outra pessoa e, por isso, estamos empenhando todos os esforços necessários para capacitar os profissionais responsáveis pela entrevista familiar em busca da autorização para doação de órgãos, de modo a esclarecer todas as dúvidas e reduzir as taxas de recusa”, destacou o secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Francisco de Assis Figueiredo.

PREMIAÇÃO – Para incentivar iniciativas que buscam exatamente o diálogo com as famílias e a sensibilização da população para o tema, o Ministério da Saúde premiou pessoas físicas e jurídicas que se destacam em ações com esse objetivo. Este ano, receberam os troféus o cantor Fábio Beça, do Grupo Bom Gosto, que foi submetido a um transplante renal em 2015 e emplacou diversas ações sociais em prol da doação de órgãos, lançando, por conta própria, campanha com videoclipe reunindo diversas personalidades do samba; a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), que tem atuado de forma expressiva na capacitação de médicos intensivistas para o diagnóstico da morte encefálica e na manutenção e validação de potenciais doadores; e a Secretaria de Saúde do Paraná, grande incentivadora de doação de órgãos no estado, viabilizando recursos e estrutura para ampliação do processo de doação/transplante; o cantor Fábio Beça, do Grupo Bom Gosto, que foi submetido a um transplante.

No Brasil, a autorização para a doação de órgãos é concedida pelos familiares. Dessa forma, para que a vontade em doar os órgãos após a morte seja atendida, é importante avisar a família sobre essa decisão e pedir que ela atenda ao desejo. A doação de órgãos pode ocorrer após a morte encefálica. A rede brasileira conta com Centrais Estaduais de Transplantes em todos os estados e DF, 494 Centros de Transplantes, 1.244 equipes de Transplantes e 72 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs). Desde 2010, houve aumento de 16% na quantidade de serviços habilitados pelo Ministério da Saúde para realizar transplantes no país, passando de 712 para 826.

TRANSPORTE DE ÓRGÃOS – Para ampliar ainda mais o número de transplantes no país e viabilizar o transporte de órgãos, os ministérios da Saúde e da Defesa assinaram em agosto deste ano um Termo de Execução Descentralizado (TED) no valor de R$ 5 milhões para ressarcir a Força Aérea Brasileira (FAB) dos voos realizados para transporte de órgãos em todo o Brasil.

A parceria, viabilizada por um decreto do presidente Michel Temer publicado em junho, prevê sempre a disponibilidade de uma aeronave em solo, garantindo que o órgão chegue ao seu destino e salve vidas dentro do prazo necessário. Este ano, até antes da publicação do decreto, a FAB realizou apenas cinco transportes de órgãos no Brasil. Após a publicação do decreto foram 61 transportes, sendo 28 corações, 21 fígados, três pulmões, quatro rins e cinco pâncreas.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Votorantim é a primeira do setor no Sistema EPD



Empresa é a primeira do setor de cimentos no Brasil a registrar
declarações ambientais de produto no sistema Internacional EPD. A Votorantim Cimentos obteve, por  meio do sistema internacional Environmental Product Declarations declarações ambientais para cinco produtos de seu portfólio, em linha  com o plano estratégico de sustentabilidade da companhia. Com essas
declarações, que avaliam os impactos ambientais dos produtos ao longo
de todo seu ciclo de vida com posterior asseguração de uma terceira
parte, a empresa passa a ser a primeira do setor no Brasil a obter as
declarações e a primeira companhia brasileira a registrá-las no
programa internacional EPD. O EPD consiste em um relatório com informações quantitativas de
impactos ambientais associados a produtos e/ou processos, por meio da
avaliação de todas as fases do seu ciclo de vida, desde a extração da
matéria-prima, fabricação, transporte, distribuição e uso até o
destino final, resultando em declarações transparentes com as informações globais desses produtos.
Além de atestar os impactos ambientais envolvidos em todo o processo
de produção abrangendo 24 categorias, as declarações contribuem para
incentivar a prática da análise do ciclo de vida não somente no setor
de cimentos, mas em toda a cadeia de fabricantes e  fornecedores  da
construção  civil,  a favor  da  construção  sustentável.
Com isso, as construtoras, que são os principais clientes da
Votorantim Cimentos, garantem um passo à frente para a obtenção de
certificações de construções sustentáveis, como LEED e AQUA.
“As empresas da cadeia produtiva estão se movimentando em relação aos
conceitos sustentáveis de forma integrada, visando trazer mais
ecoeficiência aos seus produtos através de processos de avaliação de
ciclo de vida”, afirma a Gerente Global de Relações Ambientais da
Votorantim Cimentos, Patrícia  Montenegro. A iniciativa começou a ser discutida em 2014 no âmbito da Cement
Sustainability Initiative (CSI), que reúne as 25 maiores produtoras de
cimento na busca pelo desenvolvimento sustentável. Na ocasião, a CSI,
em parceria com uma empresa suíça, desenvolveu uma ferramenta de
avaliação do ciclo de vida dos produtos fornecidos pela cadeia de
suprimentos para o setor.
As declarações oferecem ainda à empresa a possibilidade de inovar,
visto que a avaliação do ciclo de vida do produto aponta oportunidades
de melhoria no processo produtivo, como redução de energia e de custos
e gestão de resíduos.
De acordo com a pesquisa World Green Building Trends, realizada esse
ano, o número de construções sustentáveis cresce de duas a seis vezes
a cada três anos, dependendo do país. No Brasil, a expectativa para os
próximos três anos é de que o ritmo de crescimento passe de 6% para 36%.
As declarações publicadas ficam disponíveis no sistema internacional EPD.

Sobre a Votorantim  CimentosPresente  no  negócio  de  materiais  de
construção  (cimento,  concreto,  agregados  e  argamassas)  desde
1933,  a Votorantim  Cimentos  é  uma  das  maiores  empresas  globais
do setor, com capacidade produtiva de cimento de 56,8 milhões de
toneladas/ano e receita líquida de R$ 14 bilhões em 2015. A Votorantim
Cimentos possui unidades estrategicamente localizadas próximas aos
mais importantes mercados consumidores em crescimento e está presente em 13 países, além do Brasil: Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, China, Espanha, Estados Unidos,
Índia, Marrocos, Peru, Tunísia, Turquia e Uruguai.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Centro de Pesquisa para à Dengue


O Município  de Laranjeiras sediará Centro de  Pesquisa de Vacina contra  à Dengue

Amanhã, dia  06 de setembro   às   9  horas  será  a  inaugurado  o  Centro de  Pesquisa Clínica  da Vacina da  Dengue  do  Instituto  Butantan.  O Centro será instalado  no  Hospital  São João de Deus em  Laranjeiras-SE,  onde  será  desenvolvida a pesquisa. Estarão  presente o  doutor  André Franco Montoro Filho, Presidente do Instituto Butantan de São Paulo-SP,  e  outras autoridades da Medicina de São Paulo.  O  evento  será  coordenada  pelo  professor  doutor  Ricardo Gurgel. A Universidade Federal de Sergipe (UFS)  e  a  Fapese  também atuará  no projeto, que    funciona   em 13  centros  em  todo  o   país.   A  Vacina  contra a  Dengue Butantan é o resultado do tipo de ciência transdisciplinar produzido no Instituto, que graças às parcerias fundamentais com o NIH (National Institutes  of Health), o Instituto Adolfo Lutz, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP)  Instituto Central e Instituto da Criança, e o fomento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp),  desenvolve a pesquisa da vacina dengue e agora inicia a fase III de ensaios clínicos, que, a se confirmar os resultados extremamente positivos das fases anteriores, será uma contribuição de grande vulto para a saúde pública.
Vamos lá cobrir a inauguração do Centro de Pesquisas, falar com o doutor Ricardo  Gurgel, com o doutor  André Franco Montoro,  os médicos do Hospital de Laranjeiras e autoridades presentes no evento.   Mais informações sobre o Centro de Pesquisa   falar com  Flávio Boaventura(11) 97418- 1668  (19) 97418- 1663 (17) 4181- 6163

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Avosos promove o Setembro Dourado



Durante todo o mês de setembro, em todo o Brasil, acontece a campanha Setembro Dourado, criada para alertar quanto aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil e a importância do seu diagnóstico precoce. Em Sergipe, a Associação dos Voluntários a Serviço da Oncologia em Sergipe (Avosos) realiza cinco ações alusivas ao mês: participação no desfile do dia 7 de setembro (Marcha da Vitória: Heróis da Vida), Passeioterapia no Oceanário de Aracaju, Passeiofisioterapia na praia, palestra para estudantes no auditório da Avosos e Yogabeneficente.

Em nível nacional, as ações realizadas pela Avosos integram esta iniciativa da Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (Coniacc), entidade que congrega 49 instituições espalhadas por todo o país. A campanha foi criada para chamar a atenção, por meio de ações preventivas e educativas, quanto à importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil.

Segundo o gerente geral da Avosos e vice-presidente da Coniacc, Wilson Melo, o destaque do Setembro Dourado é um alerta às famílias e também um convite à mobilização social. “Dada a importância do diagnóstico precoce, escolhemos este ano o slogan ´Os sinais e sintomas valem ouro na vitória contra o câncer infantojuvenil´. O quanto antes a doença é descoberta, maiores são as chances de vencê-la. A Avosos levanta esta bandeira há anos e está inclusive entre as casas de apoio pioneiras nesta campanha. Precisamos divulgar ao máximo estas informações para aos nossos familiares, amigos, colegas, enfim, a toda sociedade”, informa Melo. 
 
Sobre a doença - Segundo informações divulgadas pela Coniacc, o câncer infantojuvenil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são as leucemias (que afetam os glóbulos brancos) e os do sistema nervoso central e linfomas (sistema linfático).

Também acometem crianças e adolescentes o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tipo de tumor renal), retinoblastoma (afeta a retina, fundo do olho), tumor germinativo (das células que vão dar origem aos ovários ou aos testículos), osteossarcoma (tumor ósseo) e os sarcomas (tumores de partes moles). 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, o câncer já representa a primeira causa de morte (7% do total) por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, para todas as regiões.  Estima-se que ocorrerão cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes no país por ano, em 2016 e em 2017. As regiões Sudeste e Nordeste apresentarão os maiores números de casos novos, 6.050 e 2.750, respectivamente, seguidas pelas regiões Sul (1.320), Centro-Oeste (1.270) e Norte (1.210).

Para tentar reverter esse prognóstico, as instituições trabalham na divulgação dos principais sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Segundo o INCA, em torno de 70% das crianças e adolescentes acometidos de câncer podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados, obtendo uma boa qualidade de vida.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Mais de 30 milhões de brasileiros sofrem com enxaqueca


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca é a 10ª doença mais incapacitante e acomete em torno de 15% da população mundial. No Brasil são aproximadamente 30 milhões de pessoas que sofrem da doença. E não faltam motivos que podem desencadear o problema: estresse, obesidade, sono inadequado, jejum, alguns alimentos, cheiros fortes, tempo seco, entre outros. A enxaqueca ainda é mais comum entre as mulheres, pois além de fatores ambientais e emocionais, elas tem também os fatores hormonais.

Na enxaqueca, a dor ocorre geralmente em um dos lados da cabeça, é latejante ou pulsátil, dura de 4 a 72 horas e pode vir acompanhada de náuseas e/ou vômitos, tonturas, intolerância à luz (fotofobia), barulho (fonofobia), cheiros (osmofobia) e movimentos (cinetofobia).

Problemas da automedicação
Mas esse cenário já está mudando. Novos tratamentos chegam ao país para combater um dos erros mais comuns de quem sofre com a enxaqueca: a automedicação. A neurologista Dra. Célia Roesler explica que há diversos tipos de tratamentos disponíveis no país de acordo com o estágio da doença e o perfil de cada paciente. “o uso abusivo de analgésicos sem prescrição médica pode transformar uma dor de cabeça que era episódica em enxaqueca crônica com dores de cabeça quase diárias”, completa a especialista.

Além de analgésicos, anti-inflamatórios e vasoconstritores isolados ou associados para abortar a dor, entre os tratamentos disponíveis atualmente no Brasil estão o uso da toxina botulínica e a neuromodulação, que permitem uma melhora na qualidade de vida das pessoas com enxaqueca, diminuindo o uso de medicamentos.

Neuromodulação como alternativa
Quando se fala em enxaqueca, a mais recente novidade é a neuromodulação. Um novo aparelho em formato de arco que, ao ser colocado na cabeça, gera pequenos estímulos elétricos ao nervo trigêmeo, principal causador das dores de cabeça, e por meio desses impulsos, altera a forma que a dor é assimilada.

O método não invasivo e sem efeitos colaterais, é ideal para quem possui dores de cabeça e crises de enxaqueca frequentes como: enxaqueca comum, enxaqueca com aura, enxaqueca oftálmica, enxaqueca episódica, enxaqueca crônica, enxaqueca menstrual, sinusite, dor na região anterior da cabeça e dor de cabeça crônica.


Com duas opções focadas ao tratamento das cefaleias, a primeira deve ser utilizada no momento da crise, voltada a melhora dos sintomas reduzindo a intensidade da dor, já o segundo programa atua na prevenção de enxaqueca e o uso do aparelho deve ser diário, com sessões de cerca de 20 minutos, pois seu uso frequente induz a uma diminuição da quantidade, intensidade ou até mesmo o desaparecimento das dores. Os efeitos são sentidos cerca de um ou dois meses depois. “Seu uso só deve ser feito com acompanhamento médico”, sinaliza a Dra. Célia.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Correios oferece soluções para candidatos às eleições


Para atender às necessidades dos candidatos e partidos políticos nas eleições municipais deste ano, os Correios lançaram uma página com orientações sobre produtos e serviços adequados à nova legislação eleitoral. O hotsite eleições oferece todas as soluções para uma comunicação efetiva e direta com os eleitores.
A página, que pode ser acessada pela internet ou por dispositivos móveis, traz orientações de como divulgar propostas, conhecer a opinião dos eleitores e enviar materiais e documentos sobre a campanha. Os interessados também podem consultar CEPs, tarifas, prazos e contatos comerciais, além do resumo da legislação e calendário eleitoral.      
O principal produto oferecido pelos Correios é a mala direta que, segundo pesquisa realizada pela empresa no ano passado, é a comunicação mais valorizada pelos eleitores. Os Correios também mantêm calendário de palestras voltadas a assessores e candidatos interessados.
A lei 13.165/2015, conhecida como Reforma Eleitoral, trouxe uma série de alterações, como a redução dos custos das campanhas eleitorais e o tempo menor para as ações de propaganda. O prazo limite para postagem de propaganda eleitoral no primeiro turno é 23 de setembro e, para o segundo, 21 de outubro.